terça-feira, 24 de janeiro de 2017

[Traduções] Um ladrão, por Edwin Madrid. Tradução de Maria Eduarda Sousa

Na semana passada publicamos o conto Un ladrón do escritor equatoriano Edwin Madrid, desta vez apresentamos a sua tradução.

Em 2016, 'Mordendo o frio' (AE, 2016) foi o primeiro livro traduzido do autor ao português. Agora, para Ecos Latinos, apresentamos de forma inédita a tradução do seu primeiro conto em português; a tradução foi realizada pela tradutora portuguesa Maria Eduarda Sousa. 

Com a apresentação deste trabalho inauguramos o espaço traduções em nosso blogue, onde serão publicados textos traduzidos, podendo ser contos, poemas, resenhas e ensaios. Os interessados em mandar as suas traduções podem escrever para projetoecoslatinos@gmail.com. 

Boa leitura! 

O ladrão
Autor: Edwin Madrid
Tradução: Maria Eduarda Sousa

EU ESTAVA A DORMIR caladinho, o ladrão abriu a porta com a chave mestra que têm todos os ladrões. Dormia a sono solto, o sono é uma coisa mais bonita que um ladrão, mas ele começou a andar em bicos de pés, dobrando a ponta dos seus sapatos de borracha, não fazia nenhum ruído, imaginava que eu dormia a sono solto junto à minha mulher, que a meu lado dormia como um enorme pássaro que a noite tinha surpreendido na sua migração para o sul. Eu, sonhava com um menino que tinha cabeça de armário, era meu amigo, ria-se quando lhe pedia que fossemos jogar futebol, o seu riso era o ruído das portas. O ladrão, tinha aberto a porta do meu quarto. Precatou-se que sonhava num sonho, e de que a minha mulher dormia como uma andorinha gigante junto a mim. Eu em pleno campo jogando com o cabeça de armário, que ganhava todas as bolas por alto. Dizia-lhe: nos cantos tens que subir, e ele respondia: não louco, depois quem fica atrás, não posso regressar tão rápido. Rapidamente o ladrão fechou a porta, desceu para a sala; ali tirou um saco no qual cabiam o frigorífico, a televisão, a minha máquina de escrever e, sobretudo, a bicicleta da minha filha. Mas quando esteve frente ao televisor, inteligentemente, decidiu comprovar o seu funcionamento, ligou-o justamente quando no écran aparecia Woody Allen em A Rosa Púrpura do Cairo. Eu mandava ao cairo o cabeça de armário, por sua culpa fizeram-nos o primeiro golo, a partida estava-nos a pôr em dificuldades e, em baixo, o ladrão, a morrer de riso, vendo a televisão mas deu conta que fazia muito barulho, assim tapou a boca com as mãos e seguiu rindo com a boca tapada. Mão na área, eu vou disse ao cabeça de armário. Coloquei a bola no sítio e  pontapei-a com força, com fé, a bola no seu voo de andorinha, aninhou-se num costado do arco, devolvendo o sorriso ao rosto do cabeça de armário, enquanto Woody fazia cara de estúpido porque não compreendia o que se passava no seu filme, a personagem saía do écran e falava-lhe. A minha mulher, como um montãozinho de plumas dormindo a meu lado com as asas abertas, uma bola despejada ao vazio à qual chego rompendo a armadilha do ofside e chuto rápido um balázio que esbarra na horizontal, o cabeça de armário entusiasmado grita: Essa é à Madrid! Essa é! O ladrão com o sorriso nas mãos, puxa uma cadeira e senta-se a ver o filme. A minha mulher sonha que é um formoso pássaro que sai voando pela janela; eu, quase esgotado pelo tempo que jogo, aproximo-me do cabeça de armário que suado abre as suas portas e juntos vamos até aos duches. A minha mulher voa pelo céu do bairro enteirando-se do que se passa em cada uma das casas. Sinto um jorro de água que me acalma, e ao mesmo tempo, desperta-me com sede. Acendo a luz, vejo que a minha mulher dorme, docemente, agarrada ao seu travesseiro. Dirijo-me à cozinha, ao atravessar a sala, o ladrão põe-se em guarda, e disse-me: deverias continuar a dormir. Respondo: e você não deveria entrar nas casas a esta hora para ver televisão,  ele responde: é verdade, eu deveria estar a roubar mas o filme está tão divertido que me esqueci ao que vim, e convida-me a sentar. Woody Allen parece estar enamorado da sua personagem. Ah! digo: é A Rosa Púrpura do Cairo, sempre passam bons filmes a esta hora. Olha que não sabia disse-me, o ladrão, amigavelmente. Assim é digo-lhe. Creio que estão a passar um ciclo de Woody Allen; ontem deram Os Dias da Rádio. Se é assim terei que mudar de horário disse. Acho que sim, digo, porque parece muito estúpido que se sente a ver televisão quando deveria estar a roubar. O que se passa é que esperava um anúncio mas a esta hora não souberam passar. Pois admira-me que um ladrão tão instruido não saiba, digo. Bom, disse, olha que não, como a televisão é uma porcaria, nunca imaginei que os bons filmes passem a esta hora e sem cortes de publicidade. Agora, já o sabe, disse, assim que saia da minha casa. Eh pá! Disse, não te parece absurdo que me vá de mãos vazias. De maneira nenhuma, disse-lhe, se leva o conhecimento que os bons filmes passam de madrugada, não crê que é suficiente. Sim,  claro, disse, mas a quem serve, como posso chegar à minha mulher com o saco vazio. Isso é problema seu, disse-lhe, nunca vi um ladrão tão torpe. Assim falavamos até que a minha mulher chegou voando, pousou no espaldar do cadeirão, e começou a gritar como um papagaio: que se passa! que se passa! O ladrão, admirado de ver a sua plumagem, disse: nada, que em vez de entrar a roubar, acabei a ver o filme. Ah! Exclamou a minha mulher, olhando para o televisor, é A Rosa Púrpura do Cairo. Bom filme! E puseram-se a conversar sobre cinema, diretores e atores, até que amanheceu e apareceu a minha filha em pijama trazendo uma formosa rosa azul metálico que entregou ao ladrão dizendo: cortei-a para ti, porque escutei que gostas muito de A Rosa Púrpura do Cairo. O ladrão, quase envergonhado, pegou-a com um sorriso, pôs-se em pé e disse: é hora de partir, estou começando a ter sono. Pois raspe-
-se, disse-lhe, pegando na sua bolsa que lhe lancei ao rosto. O ladrão, abriu de novo a porta e saiu. Ia pensando como a personagem saía do écran e conversava com Allen. Perguntava-se: haverá filmes, nos quais depois de roubar, alguém possa sair do écran e confundir-se entre o público? Caminhava com as suas sapatilhas que à luz do dia eram vermelhas como dois tomates. De repente, um cão começou a ladrar-lhe obstinadamente, lembrou-se que num dos seus bolsos levava comida para entretê-los mas quando ia atirá-la, o cão parou firmemente e disse: O quê! Não dás conta de que sou um cão polícia? O ladrão, cabisbaixo, pegou mais um pouco de comida e lançou-
-lha, o cão apanhando-a no ar e abanando a cauda partiu. Que filme tão bom! Que alguém possa entrar pelo écran na casa de Hudson, de Stallone e roubar-lhes tudo, inclusive os seus gostos sexuais, seguia pensando enquanto saía da cidade e se embrenhava num desses bairros marginais. Viu que um pássaro voava e recordou-se da minha mulher, entrou por uma viela onde um bêbado ao passar ao seu lado, garrafa na mão o saudou: Olá Carlos! Dá um gole. O ladrão, chama-se Carlos, ou mais conhecido como Carlangas o mago, o que ao entrar numa casa desaparece com tudo. Novamente um cão cruza-se, o ladrão exclama: Oh! Um cão, e segue. Na casa da esquina um homem arde em febre. O ladrão observa que dois meninos fizeram um círculo no chão e jogam lançando bolas, um disse ao outro Estás morto! E o outro responde Mentira! Recolhendo a sua bola do círculo. O homem da casa da esquina está doente. O ladrão passa pela sua casa e não sabe que dentro um homem morre. Chega a uma porta negra e entra. No interior, a sua mulher ainda na cama, como uma galinha chocando, sobressalta-se ao ver o ladrão exibindo o seu saco vazio, a galinha abraça-o e diz-lhe que não importa. Esgotado estende-se sobre a cama, acende o televisor e fica profundamente adormecido.



Um comentário:

  1. sonho louco, como todos os sonhos. apetece-me adapta-lo a texto dramático.

    ResponderExcluir